....Electra 1 / In these Great Times..Electra 1 / Nesta grande época....

....Electra 1 / In these Great Times..Electra 1 / Nesta grande época....

from 9.00

....

“In These Great Times” is the topic of the first edition file, published in March 2018. This topic unfolds from the quote of a famous text of the Viennese writer of early XX century, Karl Kraus. This "great times" gathers a number of texts that help think our present in political, social, ecological terms, etc. Contributors to this file are the Italian philosopher Roberto Esposito (on bio-politics and post-democracy), the French philosopher Frédéric Neyrat (on matters of political ecology, Marx and the Anthropocene), Pedro Feijó (on gender issues), and the Brazilian anthropologist Eduardo Viveiros de Castro and philosopher Déborah Danowski are interviewed.

The first edition also includes a grand interview to the professor, art critique, media theoretician and philosopher Boris Groys, and a portfolio of the artist Lourdes Castro. Amongst other contents, we also highlight the “Diagonal” section, which a propos the Universal Basic Income, confronts André Barata, philosopher and professor, and George Zarkadakis, novelist, playwright and scientist.

 

..

“Nesta Grande Época” é o tema do dossier da primeira edição, publicada em Março de 2018. Este tema decorre de uma citação de um texto famoso do escritor vienense do princípio do século XX, Karl Kraus. Esta "grande época" reúne uma série de textos que ajudam a pensar o nosso presente em termos políticos, sociais, ecológicos, etc. Para o dossier escrevem o filósofo italiano Roberto Esposito (sobre biopolítica e pós-democracia), o filósofo francês Frédéric Neyrat (sobre questões de ecologia política, Marx e o Antropoceno), Pedro Feijó (sobre as questões do género), e são entrevistados o antropólogo brasileiro Eduardo Viveiros de Castro e a filósofa Déborah Danowski.

A primeira edição inclui uma grande entrevista ao professor, crítico de arte, teórico dos media e filósofo Boris Groys, e um portfolio da artista Lourdes Castro. Destaque também, entre outros conteúdos, para a secção Diagonal que, a propósito do Rendimento Básico Incondicional, põe em confronto André Barata, filósofo e professor universitário, e George Zarkadakis, romancista, dramaturgo e cientista.

....

Language:
Ship:
Quantity:
....Add to Cart ..Adicionar ao cesto
 

....181 pages
27 x 20 cm
softcover

ISBN 978 972 8909 59 8

Director / José Manuel dos Santos
Editor / António Guerreiro
Portfolio / Lurdes Castro

Published by Fundação EDP
March 2018

 

..

Março 2018

181 páginas
27 x 20 cm
capa mole

ISBN 978 972 8909 58 1  

Director / José Manuel dos Santos
Editor / António Guerreiro
Portfólio / Lurdes Castro

Publicado por Fundação EDP

....


....

"I would say that art is primarily not about the world but about the subject who produces art. Art is a way in which the subject practices the design of its own appearance in the world. Art manifests not the way in which I see the world, but the way in which I want the world to see me."
— Boris Groys

"The Earth has always 'inscribed' or recorded the effects of the actions of human beings, but contrary to what Modernity and its ideology of progress has claimed, the Earth has never given in to humankind’s domination. We (or rather, those civilizations that have given birth to western capitalist Modernity, and vice-versa) have lived for centuries as if the whole world – of which we are but a part – was made up of inert matter and inferior living beings, which implied that we had rights over all of them, treating them as infinite resources that we could use for free or silent slaves available for our beneficial use."
— Déborah Danowski and Eduardo Viveiros de Castro

..

"Eu diria que a arte é, em primeiro lugar, não sobre o mundo mas sobre o sujeito que a produz. A arte é um modo através do qual o sujeito pratica o desenho da sua própria aparência no mundo. A arte manifesta não o modo como eu vejo o mundo, mas o modo como quero que o mundo me veja a mim."
— Boris Groys

"A Terra sempre «anotou» ou registou os efeitos das acções dos seres humanos, mas nunca se dobrou à dominação do Homem, ao contrário do que pensam os Modernos com a sua ideologia do Progresso. Nós (ou melhor, as civilizações que deram origem à modernidade capitalista ocidental e vice-versa) vivemos já há alguns séculos como se o mundo, de que somos apenas uma parte, fosse feito de matéria inerte e de seres vivos inferiores, o que nos daria todo o tipo de direitos sobre eles, que não passariam de recursos infinitos levados «grátis» ou escravos mudos ao nosso serviço."
 Déborah Danowski and Eduardo Viveiros de Castro

....